sexta-feira, 18 de julho de 2014

"(...) Mas estou cansada, apesar de minha alegria de hoje, alegria que não se sabe de onde vem, como a da manhãzinha de verão. Estou cansada agora agudamente! Vamos chorar juntos, baixinho. Por ter sofrido e continuar tão docemente. A dor cansada numa lágrima simplificada. Mas agora já é desejo de poesia, isso eu confesso, deus. Durmamos então de mãos dadas. O mundo rola e em alguma parte há coisas que não conheço. Durmamos sobre Deus e o mistério, nave quieta e frágil flutuando sobre o mar, eis o sono." 

Clarice Lispector
in Perto do coração selvagem, p 22

2 comentários:

Élida Regina disse...

Amo seu olhar poético!!

DANIELI DE CASTRO disse...

Oi Élida! Obrigada, flor! Bom contar com o seu olhar. Estamos numa constante construção sorvendo e doando, assim buscando um fluxo... Também estou de olho nas suas poeticidades, vamos no fluir... Bom vê-la por aqui! Cheiroo!!