terça-feira, 17 de janeiro de 2017

2017

Vi o post da Huayra, uma argentina linda. O nome dela significa vento. Nossa história é bem parecida. É filha de pais separados. Olhando o post dela, listo! Me inspirei! Ela fez uma lista numerada, descrevendo tudo o que aprendeu neste ano. E eis a minha cópia personalizada! kkkkkkkkkkkkkkkkkk 1. Entendi antes de tudo que cada um de nós teremos um drama, um trauma algo a superar. E isto é que nos torna as pessoas que somos. Que é fundamental ser autêntico. E se for bom, muitos vão querer te copiar. 2. Aprendi que antes de mim, sempre vem meus antepassados. E que escutá-los é importante. Fundamental. 3. Aprendi a compartilhar espaço e abrir mão de muitos rituais pessoais que eu tinha. Depois resgatá-los, um a um. 4. Aprendi a apagar as luzes, fechar a porta da geladeira e definir minhas prioridades e limites. 5. Aprendi a me olhar, me enxergar, me admirar comigo mesma. Me amar muito cada dia mais e sobretudo a me Valorizar. A respeitar minha origem, minha caminhada e não permitir abusos de ninguém! Ninguém! 6. Entendi que dinheiro é apenas um meio de chegar até as coisas que almejamos. Mas, as coisas que amamos não tem dinheiro que pague. Senti muita falta dos Florais da Mônica. E compreendi que ser vegetariano é uma opção para quem tem melhores condições financeiras. 7. Senti que amo demais a Música, a Dança, o Teatro, o ensino. Amo ser profe. 8. Concluí mais uma vez, com um ângulo bem direcionado, que somos seres humanos antes de tudo. E que o amor é o mais importante. O amor e o respeito, antes de tudo por nós mesmos. Compreendi que eu gosto de ser homem e mulher. Criança e idoso. Gosto de ser Yin e Yang. Animus e Ânima. Me encantam as pessoas difusas. E a diversidade é fundamental para a nossa existência. 9. Senti profunda e visceralmente a minha missão. Conheci muitas pessoas. Encontrei muitos amigos. Compreendi empiricamente o é ser madrinha. E ter uma Madrinha. E me pareceu mais importante até que ser mãe... 10. Eu amo capoeira. 11. Sou candomblecista. Negra. Angoleira. Artista Educadora e detesto usar hífens! Kkkkkkkkkkkk. Tenho orgulho do ser humano que eu sou. 12. Aprendi que antes de apontar um defeito nos outros tenho que elencar no mínimo 10 meus. 13.Compreendi que ter misericordia é o mesmo que ser empático. Só o que o primeiro tem um cunho espiritual. E o segundo um cunho mais acadêmico. Mas, que no final dá no mesmo. Kkkkkkkkkk! 14. Aprendi a falar menos e observar mais. 15. Aprendi que as pessoas mentem muitas vezes até para si mesmas. E que é importante perdoá-las. E orar por elas. 16. Em contrapartida, compreendi que devemos aceitar nossa agressividade e viver harmoniosamente com ela. Ela muitas vezes nos salva. 17. Entendi o que significa ser Feminista e ser uma Mulher Selvagem. 18. Aprendi a gostar muito mais de histórias antigas. Tive encontros literários incríveis. 19. Faço parte do Balé Ritualístico do meu Ilê. Este é um objetivo realizado. 20. Aprendi a conviver com a guerra, sem me ferir com suas balas. Me fortaleceu muito. Me feriu um pouquinho. Mas, a Natureza também renova a cada estação. 21. Me senti Natureza. 22. Aprendi o valor de um abraço. 23. Me relacionei muuuuuuiittoooooo! Meu maior record! E morram de espanto: Com as mesmas pessoas! Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk 24. Tenho aprendido o valor de boas companhias. E que nosso caminho trilhamos com nossos próprios passos. 25. Perdi a noção da minha condição financeira. Machuquei o joelho. Vi minha maior referencia na capoeira no seu dia a dia. Aprendi a ser irmã e a pensar mais no outro que em mim. 26. Ao fim da experiência, entendi que mais correta é minha intuição, que autoconhecimento é fundamental. Que é importante não negociar minhas particularidades. E estar conectada à minha essência. 27. Que às vezes as pessoas te criticam de frustração consigo mesmas, porque ainda nem sabem quem realmente são... Acham que são o que acreditam ser... Medo. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk 28. Aprendi que vou chegar aos trinta. 29. Mas, que ainda tenho 29 e que vou aproveitá-los até o fim. Porque meus 29 anos jamais voltarão! Talvez, como eu vocês se identifiquem com algum aprendizado em comum. Talvez se inspirem como eu. Ou talvez ria à beça desta crônica improvisada. Para mim o mais importante está no Vento, como diz o nome Huayra... A Liberdade de ser quem você realmente é. Obrigada a todas e a todos que fizeram de mim uma pessoa melhor. O que é bom revigora, o que é mal fortalece. Assim é a vida. Minha palavra do ano seria Gratidão. Muito obrigada. Grata. Muito grata. Que 2017 nos traga os aprendizados adequados, com tudo de bom que cada aprendizado pode trazer. Nesta delícia que é ser uma eterna aprendiz.
Danieli de Castro


Nenhum comentário: