segunda-feira, 29 de junho de 2015

Vinte e oito voltas ao redor do Sol

Naquele quarto azul, há uma mulher 
Ela dorme sonhos de acordar leões
De dentro dela feras se levantam oníricas 
Inconscientes, naturais e instintivas

Por entre as notas musicais ela dança 
Suave e lenta como o vento acariciando 
As verdes folhas das árvores

O Cosmos a alcança e acaricia... 
Se existir a queda, já não existe a dor
A mulher aprendeu, que às vezes
A queda pode ser puro amor. 

E se acaso a vida doer 
Tudo bem, viver é um convite 
Que a mulher entendeu que não pode negar

Esta mulher percebeu 
Que a vida plena 
é feita de viver 
e amar amar amar... 


Danieli de Castro 

2 comentários:

Anônimo disse...

maravilhosamente lindo

DANIELI DE CASTRO disse...

Muito obrigada!!!