domingo, 5 de maio de 2013

Alados - Sibá e a Fuloresta

Uma lagarta se escora 
Sobre uma folha verdinha 
Depois que come todinha 
Deixa o talo e vai embora 
Quando sente que é a hora 
De fazer meditação 
Se vira em adivinhão 
Dependurada demora 
Se transforma e vai embora 
Encantada e feminina 
Borboleta bailarina 
Ninfa da brisa e da flora

Numa noite escura há 
Criaturinhas que vagam 
Luz acendem, luz apagam 
Aqui, ali, acolá 
Transformando um jatobá 
Numa árvore natalina 
Brilhantes de pérola fina 
No pescoço de laia 
Riscando pra lá, pra cá 
Sem som, sem rosto e perfume 
Pirilampo, Vagalume 
Mosca de Fogo, Uauá

Balançando em suspenção 
De fuzil engatilhado 
Vai e vem desconfiado 
Tarimbado em traição 
Na ponta do seu ferrão 
O gume da baioneta 
O fogo da malagueta 
E a quentura de um tição 
Mestre cavalo do Cão 
Tranca-rua e traiçoeiro 
Marimbondo fuzileiro 
Do quartel de papelão

2 comentários:

Élida Regina disse...

Que lindo! Que bom que você voltou Dani... Beijos!

DANIELI DE CASTRO disse...

Hehehehehe! Obrigada pelas palavras... Estou sempre por aí... Realmente, Siba é muito bom, dá uma procurada nos sons dele, acho que vai curtir! BJINHOS!